« When it rains, it pours... | Main | Feliz Dia dos Pais pro Seu Jorge »

Olé!

Como previu minha amiga Cristina, o time bretão deu seu olé digno de salva de palmas e chuva de rosas na arena. No mesmo dia que o breguete despencou da parede, todos eles foram para a indústria às seis da manhã, ouviram palavrões, ficaram de castigo, foram mandado para todos os lugares menos nobres, mas não perderam a determinação: fazer o troço funcionar de novo. Às onze da noite do mesmo dia, eles voltaram para a pousada absurdamente exaustos, mas com a satisfação no pouco brilho que ainda resta no olhar deles de uma certeza: missão cumprida.

Em um dia, eles desmontaram, encomendaram partes, apressaram a entrega, montaram tudo outra vez e testaram. O equipamentro ficou em teste a noite inteira, e está funcionando as good as new. Nem quando o nosso radinho de pilha vai pro conserto fica pronto no mesmo dia. O que dirá de uma máquina de cem metros de comprimento que produz toneladas de aço inoxidável por hora.

Martin voltou com as mãos, o rosto e os braços cobertos de graxa, de pó e de fuligem, assim como todos os outros que não quiseram esperar nenhum peão para fazer por eles e colocaram as mãos, o corpo e a alma na tarefa. A noite, estávamos famintos e não tinha mais nenhum lugar aberto e todo mundo da pousada já estava dormindo. Dividimos meio pacote de batata frita em três. Além da fome, Martin respirava pesadamente quando me contava que tinha sido o pior dia de toda a carreira dele, tadinho.

Mas a resposta que vêm desses ingleses tem sempre o mesmo tom que as comédias de sua terra natal: simples, sarcástica, sutil e precisamente direta ao ponto. Não só todo o time foi brilhante consertando tudo no mesmo dia, como também eles foram ontem a noite resolver um problema que nem era deles, cheios de toda deliciosa ironia que só os ingleses conseguem, como quem diz “deixa que eu faço, provavelmente você iria quebrar mesmo”. Hohoho.

Sobre a hipótese de sabotagem, essa foi a minha primeira suspeita também. Essa idéia foi levada em conta com muita seriedade, principalmente quando o fogo envolveu bombeiros e tal. Mas a causa foi clara e o cliente assumiu a culpa de tudo. Quanto segunda quebra, é algo difícil de se fazer criminalmente. São cabos enormes, de diâmetro gigantesco, presos na parede de concreto. Não dá para simplesmente ‘afroxar um parafuso’ e fazer tudo cair.

A sede da empresa na Inglaterra está a par de tudo o que anda acontecendo por aqui. Não há muito que eles possam fazer, pricipalmente porque o imbecil daquele sulafricano que está lá e fica mandando notinhas inúteis pra cá é amigo íntimo de um dos big bosses. E também o único interesse que a empresa tem é de terminar esse projeto e esquecer de vez esse cliente. Falta tão pouco que ninguém quer criar caso, muito pelo contrário, muito da dedicação de todos é motivada pela vontade de sair daqui.

Anyway, está basicamente tudo pronto para que a equipe toda deixe Middelburg na semana que vem. Nós dois seremos um dos últimos a sair. Claro que nós ainda não podemos dar como certa a data da nossa partida, mas estamos torcendo para que até lá nenhum problema mais aconteça.

Estamos até pensando em fazer uma plaquinha escrita “GET LOST” para colocar na nossa porta e evitar que Mr.Chris venha nos acordar com mais tragédias de novo.

Eu estou com grandes esperanças que tudo dê certo daqui para frente. Já estou me despedindo aos poucos das coisas boas que vou deixar aqui: aproveitando mais da companhia da Delia, do Bruno, da Phoebe e do Sylvester, além de aproveitar mais um pouco desse azul celeste incrível, desse sol dourado todo dia e também das risadas dos nossos fins de noite.

Já estamos pensando nas nossas férias, fazendo planos e programando os dias. Teremos poucos dias porque todos esses problemas acabaram consumindo os dias em que a gente estava reservando para as férias, antes de vencer nosso visto. Estamos numa tal exaustão mental que já nem me importo tanto com o leão quanto antes. Mas nesses poucos dias de férias, iremos certamente em busca deles. Mesmo que a gente não os encontre também não faz mal. Agora a gente quer mesmo é ir pra casa...


5 Comentários

Foi emocionante ler a dedicação deles para fazer com que tudo volte ao normal! Isso prova de uma vez por todas a competência deles. É isso aí, bola pra frente agora, que nada mais imprevisto aconteça, e quando as férias chegarem, curta cada minutinho delas, pois foram suados e merecidos. Beijos,

Queridoca, estou feliz por tudo estar se resolvendo. E TOU LOUCA PRA VER VOCÊS FORA DA AFRICA DO SUL!!!! :c) Beijoca!

Puxa, realmente foi impressionante.
Mas é aquela velha história. Quem é competente, é competente e pronto, porra.

That's it Martin! Show them who is the Master!!! :-D

I'm really excited for your return to England M & M. :)

Aêêê Martin!

Eu sabia!!

Quando vc forem embora, não se esqueçam de dar uma banana (sinal) pro bundão e pra todos o que infernizaram a vida de vcs aí.

Beijos e Parabéns!!!

Cris

ufa!
finalmente estão começando os preparativos pra voltar pra casa! fico feliz por você!!