« Wor gwài-èr ler!* | Main | Indiana Jones and The Temple of Doom -ish Banquet »

Downpour

Não sei se as notícias chegam ao oeste do mundo, mas por aqui na Ásia-Pacifico o mundo está se acabando em água. Eu, paulista acostumada com enchentes e enxurradas daquelas que carregam carros rio abaixo, me assusto com as tempestades daqui. Porque parecem não ter fim. O céu fica escuro durante todo o dia, como se estivéssemos num dos pólos extremos da Terra, distante do sol. O céu negro não passa, nem depois que a tempestade começa, indicando que a chuva vai cair por todo o dia. Estranho, muito estranho.

A água que cai é intensa, muita água, muita muita chuva, trovões retumbam agressivos, raios chovem também. Mas não como as chuvas fortes que costumamos ver. Tudo acontece intermitentemente, sem fim, sem parada. No sábado choveu e acumulou 106 milimetros, como há muito tempo não se via no país. Em Kaohsiung houve enchentes, deslizamento de terra e descarrilhamento de trens, aquele caos. Na China há centenas de desabrigados. No Japão houve terremoto também, como se já não bastassem as tempestades.

Hoje acordei e a escuridão persistia, sinal de mais um dia de tempestades. Sonhei com minhas cachorras Sasha e Bianca, um sonho triste porque senti o calor do corpo delas, porque não pude mantê-las comigo, porque elas precisavam ir com pressa, para algum outro lugar que eu não podia seguir. Um amanhecer ainda mais triste porque elas já não estão mais aqui por tanto tempo.

E eu preciso ir comprar um guarda-chuva novo. O meu já era velho e se quebrou. Guarda-chuvas são duplamente úteis em Taiwan porque protegem contra chuva e principalmente do sol forte. Ontem caminhamos na vizinhança o dia todo para descobrir novos lugares e percebemos como é muito mais fácil andar embaixo de chuva do que do sol impiedoso desta terra. Então logo vou numa dessas lojas que vendem três milhões de guarda-chuvas e sombrinhas coloridas em tons pastéis para escolher um para mim.

Porque quero continuar pelas ruas, mesmo que chova, mesmo que o sol queime, mesmo que meus sonhos me inundem e me afoguem.


2 Comentários

Xi, Marcinha... depois de assistir "An Inconvenient Truth", ouvir você falar isso só me deixa mais preocupado... :-(

Oi Marcinha
Há muito tempo que acompanho suas aventuras mundo a fora.

Moro no Rio de Janeiro, e hoje aqui a cidade é uma festa geral com a vitória do Brasil.
Um beijinho para vc, e tudo de bom