« Happy Days and an Injury | Main | Guess Who's Back? »

Holidays Chronicles - The Reunion

Vou tentar escrever um pouco aqui antes que eu comece a esquecer dos detalhes, já que um mundo de tarefas me aguarda aqui para encher minha mente com a reforma, pedreiros e muitas caixas. Meu dedo já não está tão dolorido quanto no dia em que foi fatiado, já troquei o curativo por um que chame menos a atenção. Odeio curativos escandalosos.

---

É redundante dizer que o ponto alto das nossas férias foi reencontrar todas as pessoas que me são queridas.

Quatro anos é muito tempo para ficar distante do abraço e do sorriso de quem realmente importa para mim. Foi bom rever ou pelo menos ouvir a voz de todos que eu amo. Desta vez conseguimos passar mais tempo com meus pais, que era nossa prioridade. Ficamos as três semanas na casa deles, sem interrupção.

Minha mãe, Dona Wal, como sempre mantém a fiel convicção de que morremos de fome na Inglaterra e nos servia comidinhas e fartas refeições a cada vez que piscávamos. Meu pai, Seu Jorge, manteve o estoque de cerveja Bohemia sempre constante pro genro bebum. Tanto que Mr.M apelidou a geladeira de "Magic Fridge" porque não importa quantas latinhas ele bebia, toda vez que ele abria a geladeira o estoque estava renovado, completo novamente.

Reencontrei minha irmã Débora, que passou boa parte do tempo conosco, nos mostrando os fabulosos doces que ela faz, os bolos, as guloseimas açucaradas todas (ela que fez todos os doces do casamento). Conversamos um bocado, ela me atualizou de quase tudo. Quase não tivemos muito tempo para conversar com meu cunhado Cláudio, marido dela, por causa do trabalho dele, mas como sempre ele foi de uma atenção infinita conosco. E finalmente, finalmente conheci minha sobrinha mais nova, filha deles, o pequeno furacão chamado Ana Beatriz, a Bia. Ela nos encantou e nos surpreendeu em iguais medidas. Um docinho de menina que adora cor-de-rosa e que têm uma habilidade com as palavras sem igual. Ela tem dois anos e nove meses e um vocabulário quase inacreditável. Uma esponjinha que absorve tudo o que vê e ouve e sai repetindo e falando e criando histórias.

Meu irmão Júlio, a minha querida cunhada Maristela e minha sobrinha teenager Juliana também foram a São Paulo. Só puderam ficar um finalzinho de semana, mas foi o suficiente para matar as saudades. Da última vez que havia visto a Juliana eu tive que abaixar para abraçá-la. Desta vez quem teve que abaixar para o abraço foi ela, que está alta e linda, de cabelos longos, rosto de top model. Às vezes eu olhava pra ela e tentava procurar aquela menininha que gostava de brincar dentro de uma caixa de papelão, que gostava de deitar com as minhas cachorras Sasha e Bianca, que colecionava bichinhos Parmalat. E às vezes, num certo olhar, numa expressão ou numa risada, eu encontrava.

Meu irmão Claudinei infelizmente não pôde ir nos encontrar, mas falei bastante com ele no telefone. Foi bom ver que ele está bem, feliz, fazendo mil planos, se dividindo insanamente entre o trabalho e a faculdade de Design. E falei também com meu sobrinho Kauan, um doce de menino, uma fofura, super bem-educadinho. Muitas saudades deles, que o nosso próximo encontro não demore.

Encontrei também com a família da minha Tia Elza e do meu Tio Paulo, que é a família mais próxima da nossa, em todos os sentidos. Eles vieram nos ver assim que chegamos para o meu total deleite. Adorei rever meus tios, meus primos, as esposas e as crianças mais educadinhas e divertidas. É dessa família que vem o querido Maurício, que casou, mas depois conto mais sobre isso. E no casamento também revi meus padrinhos, de quem gosto muito, muito, muito; eles que sempre nos trataram com mais carinho, incentivo e consideração que muitos "so-called" parentes.

E por fim, mas não menos importante, minhas amigas e eu nos reunimos, depois de tantos anos de distância, depois de tanta coisa que aconteceu com cada uma de nós. Cris, Miriam, Adri e Clara. Juntas, meio que de última hora, fizemos um chá das três na casa da Adri, com direito a café passado na hora pela Cris, muitos pãezinhos, queijos e frios, pão de queijo, bolo de fubá, coxinhas de frango da Dona Wal que fizeram sucesso absoluto, doces diversos e o fabuloso cheesecake Romeu & Julieta da Adri. Mas a atração maior ficou mesmo pros abraços, risadas e conversas que foram até as oito da noite, afofamento do bebê recém-nascido da Adri, elogios ao comportamento da bela Carolina de sete anos, que ficou o tempo todo ouvindo nossas ladainhas e abobrinhas principalmente vindas da mãe dela, a dona Cris. Clarinha me deu um DVD lindo chamado Hoje é Dia de Maria, que ainda não terminei de ver, mas estou encantadíssima. Clarinha me disse: "me lembrei de você quando vi a série, acho que você vai gostar". E ela estava certíssima, poucos amigos acertam tão em cheio. Tivemos a sorte de ainda poder reencontrar com a Miriam e a Cris mais duas vezes para almoçar, mesmo com o mundo desabando em deadlines na agência que elas trabalham. De quebra ainda ganhamos um tour pela nova sede da agência, onde reencontrei mais uma amiga que trabalhava conosco, a doce Cecília. Foi tão bom passar esse tempo com as meninas, foi tão bom perceber que apesar de tudo, de tudo o que passamos, sofremos, atormentamos, ainda estamos juntas. Mesmo que os emails fiquem escassos, mesmo que aniversários sejam esquecidos, mesmo que os anos passem, que as vidas mudem, estamos ainda unidas por algo invisível, indescritível, imensurável.

Lamento não ter encontrado com muito mais amigos, mas não deu tempo mesmo, mesmo, mesmo. Lu & Nando, Cláudia, Lala, Samara & Milton, Natalia, Laelya e todo mundo que eu deixei de ver ou mencionar, foi uma pena imensa, mas desta vez não consegui esticar os dias que insistiam em terminar em apenas vinte e quatro míseras horas. Calculamos mal e só tivemos um único final de semana livre em toda estadia. Mas haverá próxima vez. E não deve demorar outros quatro anos.

Enfim, no fundo da minha cabeça vazia, sempre tive esse sonho besta de viajar para visitar pessoas, não lugares. E pessoas especiais, que fazem valer a pena todo o stress de aeroporto, idiotas no vôo, controle de imigração, bagagens. De uma certa forma, esta viagem pro Brasil foi assim: não para ir a nenhum lugar específico, mas apenas para reencontrar velhos amigos que não existem em nenhum outro lugar do mundo.

A todos que fizeram as nossas férias essa colcha de retalhos de histórias, lembranças, abraços apertados e risadas, muito, muitíssimo obrigada.

:o)


18 Comentários

ahhhh lindo. É só o que resta dizer!

Ai, Marcia... você é tão meiga.
E escreve para emocionar... =)

Marcinha, sempre acompanho seu blog silenciosa, mas de pensar q vc esteve no brasil deu saudades da ultima vez q encontrei as fofoletes da kavalete, estamos longe mas a saudades esta sempre perto.
Desejo de todo coraçao que vc e o mr.m sejam muito felizes!!
beijos, Cris

Marcinha, sempre acompanho seu blog silenciosa, mas de pensar q vc esteve no brasil deu saudades da ultima vez q encontrei as fofoletes da kavalete, estamos longe mas a saudades esta sempre perto.
Desejo de todo coraçao que vc e o mr.m sejam muito felizes!!
beijos, Cris

Nossa, que lindo :)
Tb tenho entrado todos os dias pra acompanhar, e quando não tem post novo leio os antigos :)
Te desejo tudo de bom viu, vc parece ser uma fofa!!!!

Nossa Marcinha!!!!!! este post foi de arrepiar!!!! fiquei muito emocionada em lê-lo,
Sua família e amigos tem muita sorte em tê-la pôr perto.
Beijos em seu coração.
Lilian

Ola,td bem??
Nossa,faz um bom tempo que leio seu blog,estava procurando receita nao sei do que....rsrsrsrs.
Silmplismente A-M-O tudo que vc escreve,como outras pessoas,tbem choro e dou muitas risadas com tudo que leio.
Quero te dar os paranbens por escrever coisas tao fascinantes,nada mais que a vida normal,mas que com seu jeito,consegue proporcionar prazer a todos que leem.
Super bjs.

A e,desculpe nao colocar acentos....eh que meu infeliz pc "japones" nao tem...kkkkk

Feliz de ve-los felizes... engraçado sentir-se assim por alguem que nunca vi, mas que conta estorias tao maravilhosas que da vontade de conhecer urgentemente! :) Mas tb estava com saudade das estorias, entao bem vinda novamente.

"E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!" Vinicius de Moraes

Que delicia de férias! E que maravilha "vê-la" tão feliz, no coração de tantas pessoas.

Beijo!

Marcinha,
Vá com cuidado que esta recuperação não é tão rápida quanto o desejado, palavras de quem conhece...
Fiquei boquiaberta e de coração apertado lendo seu relato das ferias, lindissimo, maravilhoso e tão bom de ler, é como uma comfort food, dá alento. Vinha aqui diariamente para ver se postavas do Br, se ja tinhas chegado, estava ansiosa por noticias.
Melhoras, bom regresso e sorte e paciencia com a reforma

Oi Marcia,

Como alguns outros comments, me bateu saudades do Brasil... Ainda mais que uma amia minha casou recentement e me mandou um monte de fotos... Familia e amigos sao unicos... Aunda mais quando sentimos que e dificil fazer novos e bons amigos em um pais distante. Ooops sorry, estou apenas pensando alto.

Oi Márcia,
é tãããooo bom esses momentos com quem amamos, né? Lendo suas memórias da visita ao brasil, fiquei sonhando com o dia em que tbm voltarei a ver meus familiares e amigos que tanto fazem falta.

Ah... espalhei a história do resgate do pequeno Charly para as meninas que trabalham comigo aqui no japão e todas amaram.
beijããooo

Olá Marcia!
No próximo sábado eu e minhas filhas viajaremos pro Brasil após 15 meses vivendo aqui na Suécia. Estamos muito ansiosas e animadas, pois o que mais desejamos é reencontrar a todos que nos são tão queridos assim como vc o fez! Saimos lá de Interlagos também... será que a gente já se encontrou em algum passado distante? Tudo de bom, saúde e muitas felicidades!

Ai Márcia tenho dois irmãos morando na Espanha e talvez minha filha irá ano que vem estudar por lá... é tão difícil ficar tão longe não é?
Quando ele vêm de férias é tudo isso aqui que tú escreveu ehhehe.
Forte abraço sempre.

vou ser redundante, já que tooooodo mundo fala isso: adoro ler "a vida escrita à mão!" eu mudaria o nome para "a vida escrita com o coração", hehe...
fico muito feliz de a sua viagem ter sido perfeita e ter você de volta
ah - cuida desse dedo, viu?
e boa reforma - com muito exercício de paciência!

Quero muito te enviar um e-mail, porque quero comentar o blog todo de uma vez só.
Será que você poderia passar pra mim?