« The Scent of Autumn | Main | Fuzzy Cute Bum »

Let There Be Changes

Comecei vários posts com muitos parágrafos e apaguei-os todos sem publicar. Nada que escrevo me parece muito natural ou fiel ao momento. Talvez este seja mais um deles. Talvez não. Ando, ao meu ver, muito mais introspectiva com a gravidez. Há muito pouco que sinto vontade de publicar ou divulgar. Talvez eu seja minha mais severa crítica. Ou talvez não haja mesmo muito o que escrever. Afinal gravidez é old news, seja lá o que eu relate aqui alguém: a) já teve igual; b) teve 10.000 vezes pior; c) vai me dizer que vou piorar ou d) vai se lembrar de alguma história horripilante para me contar e me encher de preocupações. Então ao invés de tentar preencher a tela branca, eu e minha barriga ficamos olhando pela janela as folhas douradas das árvores, os passarinhos vindo comer, o vento e a chuva, por muitas horas por dia.

Temos mais dois meses pela frente, os dois últimos meses do último trimestre.

Muita, muita gente nos diz para "aproveitarmos enquanto pudermos", referindo-se basicamente sobre dormir a noite toda, passarmos tempo a sós, fazer o que nos der na telha. "Porque depois que o bebê nascer sua vida vai mudar completamente e vocês nunca mais terão sossego", dizem elas. É claro que a vida vai mudar. É claro que vão existir momentos difíceis. É claro que vai haver exaustão e descabelamento. Não passamos por toda a jornada esperando manter nossas vidas exatamente como sempre foi. Nós queremos tudo o que envolve. Não sinto que estaremos perdendo nada. Não estou, em hipótese alguma, descartando ou ignorando complicações sérias como prematuridade, doenças, deficiências, depressão pós-parto e tantos outros inesperados acontecimentos que a realidade traz e que obviamente mudam sua vida de forma que ninguém pode se preparar. Também não estou dizendo que vamos tirar tudo de letra porque sei que não vai ser assim. O que me incomoda, porém, é que esse tipo de conselho sempre soa negativo (and patronising), mesmo que real e honesto, no frágil momento em que estamos nos permitindo a ficar animados (pela primeira vez em anos) e nos afeiçoando ao novo membro da família.

Durante os momentos em que acordo à noite, lá pelas 2:30 e a outra vez lá pelas 4:30, fico olhando pro teto ou pra cortina, imaginando que seria um milhão de vezes melhor se eu estivesse acordada alimentando alguém, trocando uma fralda molhada, cobrindo alguém que chutou a coberta, lidando com choro, cólicas, vômitos ou cocôs explosivos. Porque tudo isso é exatamento o que sempre desejamos, o pacote completo, the good, the bad, the ugly. Tropeçar em Legos, tirar massa de modelar do meu cabelo, segurar uma mãozinha pequena para atravessar a rua, esperar a febre passar assistindo Cbeebies, assoprar joelho ralado, limpar xixi de todos os degraus da escada porque não deu tempo de segurar até chegar ao banheiro, cair na cama exausta sem tomar banho outra vez.

Nós "aproveitamos enquanto pudermos" por 37 anos. Estamos prontos e ansiosos pelas mudanças. Há um quarto ao lado do nosso que está pronto com um berço, com roupas nas gavetas que não são minhas nem do Martin. Com livros que não são meus, com presentes que não são nossos. Dentro de mim há alguém que gosta de colocar as mãos e os pés na boca, segundo o mais recente ultrassom. Que tem soluços, que gosta de chutar durante à tarde, mas aprecia de uma certa quietude à noite. Há alguém entre nós dois. Com outras experiências, outros pontos de vistas, outras vontades, outros encantamentos com detalhes do mundo que não serão meus nem do Martin. Temos uma pequena família de três quando um dia achamos que seríamos apenas dois. E não há razão neste mundo para desejar que a vida continue a mesma. Changes are all we want.



Littlest One mastigando a mãozinha




33 Comentários | Deixe um comentário

Outro dia alguém me perguntou na formspring (ainda não respondi) "como" eu poderia desejar felicidades a alguém que está grávida se eu mesma não planejo o mesmo. Fiquei me perguntando a mesma coisa, tentando elaborar a resposta, mas o fato é que a resposta é simples. As pessoas são diferentes. :) Muita gente reclama sim de exaustão depois que o bebê nasce. Muita gente fica em baby bliss e nem percebe que não come ou dorme há mais de 20 horas. Cada um tem a sua maneira de lidar com uma mudança tão grande, mas acho que vocês estão mais do que prontos para ela.

É impossível não sentir a sua excitação com a realidade cada vez mais próxima de ver a sua vida transformada, enriquecida, com todas as novas experiências que vão viver a três. É impossível não se emocionar ao ver você realizar o seu sonho, ao olhar pra esse ultrassom e imaginar o quanto ele significa pra vocês. E por isso tudo é impossível não desejar, e com toda a sinceridade, muita felicidade para essa família. :)

fazia tempo que não passava por aqui; que grata surpresa, a da sua gravidez quase no fim! tudo vale a pena, sim, você está coberta de razão! e nossos filhos, quando queridos, sempre serão os mais lindos do mundo! tudo de bom pra vocês três!

Adorei o seu post, e especialmente a foto do ultrassom com Littlest One mastigando a mãozinha. Também não entendo porque se indagar sobre as coisas "perdidas", quando finalmente as coisas ficarão completas.
Que seus dois ultimos meses sejam saudaveis e felizes.

*olhos rasos d'água*

=)))))))))))

Estou com os olhos cheios de água. Lindo. Lindo esse teu depoimento. O penultimo parágrafo então... Daqui menos de 1 semana meu filhão vai completar 1 ano de vida. E tudo que falaste, todos os cansaços, as noites mau dormidas, os brinquedos espalhados, fazem da nossa vida um momento tão único e especial que nunca poderia pensar nossas vidas diferente.

Desejo muito, mas muito mesmo, que esses dois últimos meses sejam da mais pura tranquilidade e harmonia e que logo, logo, essa mãozinha esteja segurando o dedo de vcs.

Wish you all the best!!!

XOXOXO

Oi, Márcia!
Acho que a grande mudança já aconteceu. Desde que as pessoas percebem que uma mulher está grávida, já se sentem à vontade para dar pitacos na vida dela. Qq um. Impressionante. De agora em diante todo mundo vai pensar que sabe mais da sua vida que vc, hehe!
Seja fiel a você mesma. Curta muito esse finalzinho de gravidez e aproveite muito o seu bebê. É verdade que no comecinho o trabalho é grande, mas tãooo gostoso. E passa rápido. Cada fase tem sua beleza!
Beijos,
Anália

um amor tão grande, uma visão tão lúcida; littlest one soube muito bem escolher o papai e a mamãe.

a tia-da-internet emocionada e bobona manda beijos para a família mais linda da inglaterra :)

Ah Marcinha...essa é uma questão complexa. Mesmo a gente querendo, desejando, sofrendo pra ter um filho muitas vezes depois que o bebê nasce a exaustão e os hormônios nos pregam uma peça. Por mais que a gente queira a mudança, saiba que ela vem aí, saber e sentir são tão diferentes. Eu podia ter escrito o que você escreveu nesse momento quando estava grávida da Julia faltando pouco pra ela nascer. Mas depois que ela nasceu sofri muito sim, até hoje tenho trauma do primeiro ano. Claro, eu tive uma PPMD severa, muita gente fica no estágio de baby bliss que a Lolla descreveu e não se incomoda mesmo. Felizes são essas pessoas, viu. Espero que aconteça com vocês! Muitos beijos.

Esses últimos meses devem ser os mais chatos mesmo, mas daqui a pouco é passado e serao tantas novidades que você vai até esquecer da gravidez, acredito! Hehehe, falando em pipi, ontem o meu filho mijou literalmente na minha mao, porque estávamos no super, tinha que passar na fila do caixa e demos aquela corrida, para dar um mix no canteiro do estacionamento. Outras pessoas teriam nojo, eu achei o hilário, morro de rir e me lembro de todos os acidentes nucleares (vômitos e chafarizes de cocô) que já aconteceram conosco. Mas nao é só isso nao, aqueles bracinhos em volta do seu pescoço, dando abraço, e o beijo mais babado do mundo nao têm preço. Eu tinha a sua idade quando recebi minha primeira filha. Acho que nao perdi nada até hoje. Tudo mudou mas estamos bem mais felizes a 4 do que a 2. Felicidades com seu bebê! Família é a melhor coisa do mundo!

Márcia,

o que eu vou dizer é extremamente clichê e você já deve ter lido cinco mil vezes, mas ainda assim eu quero dizer.
É que eu fiquei dando pulos de alegria quando soube que você estava grávida, e realmente acredito que você e Martin, mais do que muita gente nesse mundo, merecem esse criança que está chegando.
Eu não tenho filhos, mas algum dia quero te-los e, não tinha me dado conta de que é exatamente da maneira que você disse, com "o pacote completo, the good, the bad, the ugly." Porque, pra mim, só assim é querer de verdade, é amar de verdade.
Obrigada pela lição e muita, muita felicidade mesmo, vocês três com certeza merecem muito!

Ah Marcinha, coisa mais linda! Quem disse que dormir muito, ter liberdade de ir e vir a qualquer hora, comer qdo e o que quiser, é tudo o que a vida tem pra oferecer? Aproveitem o cheirinho único que só o filho da gente tem, aquela babinha gostosa, aquela fralda pesada cheia de xixi. A cabecinha quentinha aninhada nos nossos braços, aquele olhar enquanto mamam...
Querida, prepare-se para conhecer uma felicidade com sabor único e que dura a vida toda. E nem espere que ele te acorde pra mamar. Vc vai acordar várias vezes só pra ver se está tudo bem, e vai torcer pra ele acordar tbm.
Beijos aos três. Carolina e Tadeu também mandam beijos.

E eu só fico aqui lendo e pensando, feliz, que você ainda nem sabe o quanto é capaz da amar. Mesmo você, com tanta sensibilidade, ainda não conhece o que vai viver em breve. Você imagina e já intui que tudo será imenso; você já pressente, conversa, acaricia. E mesmo sabendo que a revolução é para sempre e desejando-a como ninguém, ela ainda vai surpreender você pela força e pela imensidão do amor que você vai sentir - quando olhar pra ele.

Beijos - tãããão feliz por vocês.

Rita, que tropeça em Legos todos os dias.

Quando estava grávida, ano passado, após meses de comentários de família, amigos e desconhecidos, um dia, exausto, marido praticamente gritou: "Alguém tem alguma coisa boa pra dizer, pelo amor de Deus??". Porque parece que as pessoas esquecem de tudo de bom que já aconteceu com elas nesse período e resolve bombardear você com todos os insignificantes obstáculos que acompanham a melhor coisa da sua vida.
É uma pena que não consigam olhar para trás e somente sorrir.

Tenho certeza que vocês vão sorrir, todos os dias, como eu tenho feito nestes últimos oito meses.

Parabéns bebê. Seja muito bem-vindo.

Segui se blog a muitos anos atrás,ahhhh Parábens pelo baby e muita sorte, alegria e cherinhos de bebê pela casa ... bjos
Depois de muitos anos voltei com um blogger tambem paperdollsgyn.blogspot.com
Bjosss

Oi,Marcia,acompanho seu blog faz tempo e nunca me animei escrever...mas o tema gravidez é o que mais gosto...tenho 3 lindas meninas e só te digo uma coisa,nao trocaria nenhum momento com elas por nada nesse mundo...desde da gravidez,partos,hj a mais velha tem 6 anos ,a do meio 5 e mais nova 8 meses...vivo fora do Brasil e só tenho a ajuda do meu marido...ser mae é a melhor experiencia.
Te digo outra coisa,curta cada momento,cada cheirinho...pois passa voando.
Cada fase tem seus momentos bons e os que desesperam(principalmente os colicos,pois nao podemos fazer muita coisa,a nao ser ter MUITA paciencia e carinho),mas nada como um sorriso,um te quiero para que td seja ameno e feliz!
te desejo um otimo parto e que vcs sejam muito felizes!

Eu não gosto nada desta história de histórias sobre gravidez... foram e são desnecesárias todas as conversas q tiveram comigo eqto estive grávida... preparação pro parto? Tretas!!! Na hora o corpo sabe como respirar, a criança sabe como sair e o instinto domina a nós e tudo ao redor. Há uma humildade sutil em aceitar q é a criança quem coordena o parto e não nós.

Nunca desejei ardentemente ser mãe. Entretando vivia minha vida sabendo q se a oportunidade se fizesse eu iria agarrá-la com a convicção q sempre tive de que, seria um desperdicio passar pela vida, sendo mulher, e não experimentar a maternidade.

Viví minha vida de solteira e experimentei o máximo q podia, casei aos 37 (diria, meteoricamente) e fui mãe aos 39 de uma menina q é e será filha única. (Apesar de eu achar q ser filho único é muito pai pra pouco filho, mas tenho que considerar que a fábrica já perdeu o prazo de validade)

Hoje, só digo e repito, sempre q posso: Não existe estar preparado (ninguém se prepara para aquilo q pouco conhece), não existe mudança de vida (é só outro capítulo), não existe paciência total (a gente reclama sim da falta de manual de instruções, do botão liga/desliga, do comando remoto)... só existe aquilo q nos é destinado como sequencia pra nossa história.

E, qto ao tal do amor incondicional? Este sim é inexplicável, tto quanto ao instinto... São os dois reis que comandam tudo... sim, eles existem e são "Deuses".

A única coisa sincera q posso te desejar é "saúde" o resto já é teu, é a tua história, teus momentos e só isto é q te importa... q me perdoem todas as histórias de gravidez, partos e primeiros anos de vida q me contaram... elas não me servem assim como a minha tb não te serviria.

Já sabes de tudo isto, não é?

Escreví aqui, pra te agradecer, mais uma vez, a sinceridade do teu post...

Ah Marcinha...Que post mais delicado, assim como você.

Ser mãe, ter uma família é maravilhoso, é uma experiência única, saber que não estamos sozinhos, partilhar as nossas vidas com um serzinho tão miudo, sempre digo que aprendo muito com os meus dois gúris, amor sem limites é bom demais.

Marcinha,

Obrigado por dividir está alegria com todos nós.

Márcia, fiquei tão feliz com a boa nova aqui no seu blog. Sempre que dá eu passo por aqui. E esse post me fez ver essa experiência de uma outra forma que talvez eu não passe por ela nessa vida, pois tentamos fertilização in vitro duas vezes e não deu certo. Mas, não sou encanada com isso não. Amo as coisas q vc escreve. Já comentei uma vez aqui. Ah! Quero te dizer também q fiz aquele bolo de chocolate e realmente fica maravilhoso! Bom, é isso! Parabéns e felicidades! Um beijão!

Dá-lhe, Marcinha! A vida é de vocês... as opções, os desejos, as experiências são e serão sempre só de vocês. Pode até haver semelhanças com outras histórias, mas só vocês podem decidir como vão encarar tudo. Que essas decisões tragam sempre paz e muita, mas muita alegria para vocês.

Amei demais a foto do Littlest One!

E achei de uma ternura imensa sua descrição dos dias. Realmente... certas coisas só você é capaz de fazer! =)

Hoje estava aqui crochetando a mantinha de recém-nascida pra minha sobrinha que está pra nascer e pensei em você, nessa pessoa sensível que eu não conheço pessoalmente, mora do outro lado do mundo mas que de certa forma faz parte da minha vida desde o instante em que se dispôs a repartir um pouco da sua. Pra variar, às lágrimas com tanta sensibilidade... Desde que meu filho nasceu percebi que algo importante e gravíssimo tinha acabado de acontecer: meu coração estava a partir dali batendo fora de mim!! Interessante que passeando por textos por aí vi que essas foram as mesmas palavras que muitas mães encontraram para descrever essa sensação única de se ter um filho. Além disso, muitas e muitas vezes fico olhando pro meu garotinho e pensando no milagre que é essa multiplicação de gentes, onde só tinha dois agora tem três. Fico pensando em todo o universo que existe dentro daquela linda cabecinha e que é só dele, não é meu. É exatamente o que vc escreveu, o mundo é dele, as experiências são dele, as impressões são dele, a visão é dele, suas coisas e roupas... são dele. Eu só posso guiar o barco nesse primeiro momento da vida dele, mas é um ser humano completinho a quem se deve todo o respeito nessa individualidade. É lindo, é magnífico, é milagroso.
Eu também escutei todas essas coisas, dicas e conselhos (maioria beeem inútil e por vezes beeeem irritante pra quem está sendo bombardeada com mil alterações físicas e psicológicas, mas releve - faz parte do pacote "maternidade". Os palpites fazem parte assim como os enjôos, chutinhos nas costelas, ultrassons e ansiedade! Abraço com carinho.
p.s.: Carla Soar, adorei as coisas que vc escreveu, me identifiquei muito com elas! E pelo que vi dos outros comentários, vc consegue tirar mesmo o melhor e mais bonito das pessoas mesmo, Marcinha...

Li o seu texto e tive que subir e dar um beijos de boa noite extra nos meus meninos.... preparece para sentir aquele sentimento de paixao todos os dias... xx

Olá Márcia.
Entao..Acho que vc deveria mesmo aproveitar agora, mas sem essa visão negativa sabe. O que eu quero dizer é o seguinte, aproveita a partir de agora. Registre tudo oq acontece de novo para vc.
Td bem,podem dizer que gravidez eh td igual...Mas nao pra vc.Aproveite por vc..Logico que td vai mudar, pois a vida eh feita de fases, agr eh a fase que vc aprecia e imagina aqle humaninho la dentro...Qualquer coisinha que acontece eh novidade. Aproveite o seu dom de escrita e fotografia,e registre td pra vc...

Minha mãe e eu somos muito suas fãs..E desejamos tuuuudo de mais maravilhoso pra vcs.
Muita saude e felicidade...E que vc tenha muitos 'côcos explosivos' para limpar :D

Achei lindo o teu relato, bem diferente de todas as grávidas que já li... Parabéns e que o baby venha ao mundo com muita saúde!

fico imensamente feliz por você, pelo Martin e pelo bebê que soube escolher boníssimos pais. amei o seu relato e fiquei profundamente tocada; sou mãe de uma menina e tenho outra a caminho e para mim foi exatamente isso: nem lembro da minha vida de antes e muito menos a quero de volta. estou em outra dimensão e foi esse "pacote completo" que me transportou para cá. minha vida é muito mais feliz e com sentido agora, pois há O Amor.
abraço.

Marcinha,
Sou sua leitora há muitos anos e já acompanhei muita coisa que, você,tão generosamente, divide conosco. Acho muito bacana a sua forma de ver e viver a vida e de nos contar sobre ela. Talvez por isso me sinta com tanta vontade de te dizer que a maternidade só vai, como já está, enriquecer ainda mais a sua vida. E por tudo o que você escreveu no seu post, você sabe o que a vinda do seu littest one significa. Agora só falta viver isso. E eu, como mãe de 4 meninas, posso te garantir que essa é a melhor parte!
Tudo de melhor pra vocês e que Deus os abençoe.

um beijo procê,

Demorei tanto para ter minha bonequinha comigo que posso te dizer com certeza: Apesar das cólicas, dos choros, das fraldas que vazam,das noites em claro, da depressão que quase apareceu; tudo vale a pena. Só assim dá para conhecer o real significado da palavra AMOR. Eu não conhecia...

"E se quer saber se eu quero outra vida. Não...não..."

Oi,Marcia!

Há alguns dias lhe enviei um email contando como comecei a ler o seu blog. Quando escrevi, ainda estava em Fev de 2003. Agora cheguei neste último post e fiquei tão contente, vibrei com a conquista sua e do Martin. Desejo muitas felicidades p/ vcs.

Ah, esqueci de escrever no outro comentário....

Desejo que o final da gravidez seja bem traquila e que o baby de vocês venha com muita saúde. E que a alegria cresça a cada instante.

:) :) :)

Oi Ma....
A grande verdade é que você só sabe como é quando o filho nasce...a sua rotina, a sua cabeça, as suas ansiedades...tudo isso se mescla com o crescimento do filho, não tem jeito. As maiores inquietudes, tudo fica meio superlativo quando se fala do seu filho. Mas isso sou eu...com a laura foi de um jeito ao qual eu reagi de outro jeito. Cada bebê é um bebê e cada mãe e pai são únicos. Tem momentos que vc se acha o máximo e momentos que se acha a pior. A satisfação é igualmente enorme. Concordo com alguém acima que escreveu que o que importa é saúde aos três....o resto é história de vocês.
Beijos

Vou confessar que chorei com esse post. Isso aí, bote para correr as pessoas pessimistas! Eu morro de vontade de ter um filho, mas por um único motivo ainda ne pude tentar ter (não quero me expor). Mas concordo com você, passamos a vida inteira aproveitando a nossa vida e parece um crime querer compartilhar outra parte da vida com uma criança. Aliás, o que é aproveitar a vida? Parabén pela gravidez e pelo bebê que virá!

Olá Marcinha,

Eu venho aqui há muitos anos. Acompanhando a história de sua família, rindo e chorando também. Comento sobre a minha "amiga" que mora na Inglaterra, mas ninguém sabe que ela (você) nem ao menos me conhece. Mas tudo bem. Fico feliz por compartilhar sua vida. E hoje, depois de muito tempo sem ler, vejo que você está grávida. Eu fiquei muitíssimo emocionada, porque mesmo à distância, podia sentir esse sonho sempre presente. E eu resolvi falar novamente, para te dizer que eu fiquei imensamente feliz por vocês e que, desejo a vocês toda a felicidade que esse sonho puder trazer.
Parabéns, de coração.
Níssia

Oi Marcinha,
Não sei se vc dá uma olhadinha nos comentários de posts antigos, mas gostaria de trocar idéias sobre gravidez e maternidade na Inglaterra, longe da família...

Deixe um comentário