« Between the pages is a lovely place to be | Main | The game, Mrs Hudson, is ON »

The elusive spring

Março é um mês difícil. Equinócio da primavera nos faz acreditar que o clima mudou. Um mísero dia de sol sem vento enganou a joaninha e eu. Achávamos que o inverno estava pra trás. Joaninha se posicionou na planta do lado sul do jardim para se banhar no calor dos raios de sol. E eu fui correndo comprar florezinhas primrose Apple Blossom Pink, pra colocar um pouco de cor no jardim ainda pelado de folhas.










Daí brum! Vento, chuva, vento. Todos os dias. A chuva parou, o vento não. Ontem tivemos temperatura de -3ºC e chuva de granizo a tarde inteira. Estranha, esquisita essa chuva de granizo que não pára. Geralmente quando chove granizo logo muda pra chuva normal, mas ontem não. Foi gelo, gelo, gelo. Minhas flores crocus mal nasceram e já foram apedrejadas. Clima vândalo.

















Em nosso conservatory, já comecei minha produção pra horta deste ano. Março é o mês de plantar sementes por aqui. Nesta época em que tudo ainda está adormecido no solo é uma gratificação ver as sementes brotarem, crescerem e se transformarem em refeição, como no caso das sementes de salada aqui embaixo:













E um dos meus pequenos prazeres desta fase do plantio é replantar os brotos assim que as folhas verdadeiras começam a nascer. Trabalho calmo e repetitivo que eu poderia fazer o dia inteiro.









Não sei o quão interessada pelas plantas Miss S vai estar este ano. "Plantamos" feijão no algodão molhado, do mesmo jeitinho que plantei uma vez com minha sobrinha Juliana, num potinho de Danoninho, lá na casa da Batian e do Ditian. Todos os dias a gente rega o feijão, percebe que ele está inchando, ficando diferente. Todas as vezes lembro da Juliana.

Plantamos ervilhas Sugar Snap (que a gente come com a casca) e girassóis, que são fáceis de germinar e o tempo de espera não é tão longo. Precisamos de um pouco mais de luz, um pouco mais de calor e um pouco menos de gelo para que tudo comece a ficar mais interessante pra Miss S. E pra pobre da joaninha e pra mim.


















6 Comentários | Deixe um comentário

Sua primavera, nosso outono. Aqui o ventinho mais frio já nos faz sair de casa com um casaquinho leve, preventivo.

Suas mãos de fada certamente trarão muita cor para seu quintal, em breve. E para esse blog também, iêba. Assim, não será só Miss S. quem encherá os olhinhos.

Beijocas,
Rita

Meu sonho é ter uma casa pequena com jardim grande, mas antes disso tenho que aprender a não matar as pobres plantinhas pq estou mais para serial killer do que para jardineira... :)

Pelo jeito miss S já faz suas próprias fotos,que fofa.
Que vontade de fazer uma hortinha tb,mas sou tão estabanada,acho que quebraria as pobres plantinhas ainda bebes.
Ficaram lindas as fotos.Mal posso esperar para ver fotos das plantas crescidas,colorindo esse cantinho tão charmoso que me traz tanta paz.E o mais bacana é saber que irão para o prato em forma de saladas super saudaveis.

Gosto de ver o seu carinho com as plantas. Que bom que voce incentiva Miss S tambem. Eh um otimo passatempo e muito relaxante. Quando pequena eu plantava tomates, salsinha e alface e ficava muito feliz quando colhia a producao. E olha que era bem farta. Ateh hoje eu adoro plantar as milhas flores, mesmo que o espaco seja pequeno, mas fica tudo muito florido. Faz bem para a alma. Bjs e que o tempo melhore para podermos admirar a sua plantacao.

Já plantei tanto feijão em algodão... ;) Acho lindo esse dom e essa paciência, ou seria determinação?, de quem planta de verdade. Aqui em casa o lugar em que seria possível é a varanda, mas recebe o fortíssimo sol da tarde. Nem mesmo a bromélia que fica ali perto está resistindo... Será que me arrisco com uma hortinha?! Amo salada. Seria um sonho realizado! Enquanto isso, tento despertar na Clara o gosto pela natureza. Sempre que vamos ao sítio dos meus sogros, passeio com ela entre as muitas plantas que seu vovô cultiva por lá. Não vejo a hora de voltar, pois agora que ela está mais crescidinha já tenho coragem de colocar seus pezinhos descalços na terra. Que idade tinha Sophie quando começou a pisar na terra? Bjos!

Acompanho com mta simpatia os seus escritos, bem antes de
sua filhota nascer. Fico encantada com o seu modo de vivenciar todos os seus momentos e tão bem transmití-los para seus leitores. Vejo-a como uma cronista em ascensão. Hoje adorei as suas plantinhas e seu entusiasmo junto à sua S. Deus as abençõe. Obrigada pela oportunidade que tenho de seguí-la sempre em sua página e poder aquí em Minas Gerais no Brasil, me distrair (já nos meus 81 anos) com o seu entusiasmo pela vida. Abraços, Lia.

Deixe um comentário